Após palavra racista de ex-piloto brasileiro, Lewis Hamilton responde-lhe em português

NELSON PIQUET, EX-PILOTO BRASILEIRO, UTILIZOU UM TERMO CONSIDERADO RACISTA PARA SE REFERIR A LEWIS HAMILTON, EM 2021, MAS A POLÉMICA GEROU-SE AGORA

Madalena Costa


Uma entrevista de Nelson Piquet, ex-piloto e tricampeão mundial de Fórmula 1, dada em 2021, está no centro de uma nova polémica.


O vídeo dessa mesma entrevista foi publicado pelo canal Enerto, especializado em automobilismo, e mostra que o ex-piloto brasileiro utilizou um termo considerado racista para se referir a Lewis Hamilton, heptacampeão mundial de Fórmula 1.


Nelson Piquet utilizou a palavra "neguinho" para comentar um acidente entre Hamilton e Verstappen, no Grande Prémio de Inglaterra, em julho do ano passado, tendo-o comparado a um acidente que envolveu Ayrton Senna e Alain Prost, em 1990, na largada do Grande Prémio do Japão.



Rapidamente, o termo utilizado teve uma ampla repercussão nas redes sociais e levou o próprio Lewis Hamilton, a Fórmula 1, a FIA (Federação Internacional de Automobolismo) e dezenas de pessoas a comentar e a repudiar.


O heptacampeão mundial recorreu ao Twitter para escrever, em português, que "vamos focar em mudar a mentalidade". De seguida, o piloto na Fórmula 1 escreveu, já em inglês, que "essas mentalidades arcaicas precisam de mudar e não têm lugar no nosso desporto. Fui cercado por essas atitudes e alvo a minha vida toda. Houve muito tempo para aprender. Chegou a hora da ação".



A Fórmula 1 fez questão de tomar uma posição e de afirmar que "linguagem discriminatória ou racista é inaceitável de qualquer forma e não deve fazer parte da sociedade. O Lewis é um embaixador incrível do nosso desporto e merece respeito".



Também a FIA defendeu Lewis Hamilton e condenou "veementemente qualquer linguagem e comportamento racista ou discriminatório, que não tem lugar no desporto ou na sociedade em geral. Manifestamos a nossa solidariedade com Lewis Hamilton e apoiamos plenamente o seu compromisso com a igualdade, diversidade e inclusão no desporto motorizado".



Após a polémica se ter instalado, Nelson Piquet decidiu defender-se das críticas.


O ex-piloto brasileiro, de acordo com o site A Bola, afirmou que "o que eu disse foi mal pensado, e não defendo isso, mas vou esclarecer que o termo usado é aquele que tem sido amplamente e historicamente usado coloquialmente no português brasileiro como sinónimo de 'cara' ou 'pessoa' e nunca teve a intenção de ofender".


Num comunicado oficial, continuou dizendo que "nunca usaria a palavra da qual fui acusado em algumas traduções. Condeno veementemente qualquer sugestão de que a palavra tenha sido usada por mim com o objetivo de menosprezar um piloto por causa de sua cor de pele".


Por fim, Nelson Piquet sentiu-se na obrigação de pedir desculpas a Lewis Hamilton, que, nas suas palavras, "é um piloto incrível" e disse ainda que a "discriminação não tem lugar na F1 ou na sociedade e estou feliz em esclarecer os meus pensamentos a esse respeito".


(Imagens: Instagram)


  • Partilha:

Artigos Recomendados
Top